quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Cargas a Granel

Segundo o dicionário, Granel é o adjetivo que se dá a carga que não é ensacada, nem encaixotada. Ou seja, a carga que está solta, em montão desordenado. Por exemplo, feijão exposto em uma caixa, no velho armazém, sendo retirado com uma caneca e despejado num saco sobre a balança, até completar o peso que o cliente deseja.

Em transportes, "granel" é usado para indicar muito mais coisas, sempre com o mesmo sentido: — Você "despeja dentro" do vagão; transporta; e depois o vagão "despeja" em outro lugar.

Fala-se em:

“Granéis sólidos" são tanto feijão, soja, trigo, milho etc. (grãos de verdade); como também cimento, areia, minério, carvão, bagaço moído, fertilizantes, e tudo que "escorre", quase como se fosse líquido.

"Granéis líquidos", são petróleo, gasolina, óleo de soja, água etc., desde que sem nenhuma "embalagem".


  
Líquido                                       
 Sólido

O produto deixa de ser granel, quando você os coloca em alguma embalagem. Por exemplo: um saco de cimento, não é 'granel'.

Na maioria das vezes o material Granel é movimentado e armazenado em contentores, já que não são embalados.

Alguns tipos de contentores para o transporte e armazenamento a Granel:
Modelo feito de plástico, com capacidade de 1000 kg e aguenta até 10 empilhamentos.



Constituído de material dobrável, flexível, é destinado ao transporte de grãos ou pó
Para transportar produtos a granel os meios não precisam ter nenhum formato específico. O que realmente importa, é que permitam ‘despejar’ a carga.

Exemplos de Meio de Transporte a Granel:
Transporte Líquido
Transporte Sólido


Graneleiro
Às vezes, o adjetivo "graneleiro" parece ser aplicado somente a veículos que transportam grãos para alimentação humana ou animal.

Outras vezes, vê-se aplicado também a vagões que transportam produtos tóxicos. O catálogo Frateschi de 1981 descrevia o modelo ref. 2008 como "vagão graneleiro para transporte de adubo químico".


Box graneleiro
Para transportar "granéis", o vagão não precisa ter nenhum formato especial. Pode ser redondo, quadrado, triangular. O que importa, é ser construído de tal modo, que permita "despejar" sua carga.

Alguns vagões fechados, o tradicional vagão "box" (que significa "caixa") — só podem transportar milho ensacado, ou sacos de cimento, ou sacos de adubo, e assim por diante.


 
Vagão fechado graneleiro típico, com escotilha no teto para receber a carga, e bocas laterais para descarga pelo piso. Em outros protótipos, as bocas são alinhadas pelo centro.





Outros, podem fazer isso — e também podem transportar "granéis".

São os vagões box com escotilhas no teto, por onde o "granel" é despejado para dentro.

Um sistema típico para isso, é a "moega", um silo suspenso, com fundo em "funil", de onde sai um "cano" flexível. O "cano" é inserido na escotilha do teto do vagão, e abre-se a "torneira" — ou seja, a moega.


À medida que o trem avança o espaço de um vagão, abre-se a escotilha no teto e faz-se a carga, por gravidade, até a altura adequada. Foto: Fepasa



            http://www.dicio.com.br/granel/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário!!!